Tripa Para Linguiça

TIPOS DE TRIPA PARA LINGUIÇA  – (MANUAL).

É importante conhecer os vários tipos de tripa para linguiça, para escolher a ideal para seu churrasco ou até mesmo para que você faça um bom uso de todas elas.

Citaremos os tipos de tripas naturais e artificiais, entrando um pouco mais a fundo sobre cada uma e mostrando alguns detalhes cruciais na hora da sua escolha. 

TRIPAS NATURAIS 

As tripas naturais são mais fáceis de digerir e ficam ainda mais saborosas quando passam pelo processo de defumação que, por sua vez, é mais eficiente do que nas tripas sintéticas, já que o sabor pode adentrar melhor na massa.

Sua composição é totalmente orgânica e feita com o próprio intestino do animal, ela vem limpa e salgada — sem nenhum aditivo químico — e pronta para o uso.

As tripas naturais, ainda, podem ser divididas em três categorias:

TRIPA SUÍNA

Esse é o tipo de tripa mais recomendado para fazer linguiça toscana e mista, já que seu calibre é intermediário. A metragem de cada maço varia de 45 a 90 m e pode abrigar cerca de 30 a 65 kg de recheio. O seus calibres podem ser de 28 à 38+mm.

TRIPA OVINA

Por ser mais fina, é recomendada para fazer linguiça com carne de frango ou de porco. Seu maior comprimento é 90 m e abriga de 25 a 30 kg de recheio. O seu calibre varia de 18 à 26 mm.

TRIPA BOVINA 

São as tripas com o maior calibre, que variam de 37 a 50 mm e geralmente são utilizadas para fazer linguiça calabresa, maria rosa e até alguns tipos de salames. Tendo ainda três subcategorias: tripa torta, de fundos e bexiga.

TRIPAS PARA LINGUIÇA – ARTIFICIAIS/SINTÉTICAS 

O manuseio das tripas artificias é mais prático e fácil na hora da fabricação da linguiça, mas o seu corte é um pouco mais resistente do que as tripas naturais. Seus tipos de tripa para fazer linguiça são:

Tripa de colágeno
O colágeno usado para fazer a tripa é extraído do próprio animal, porém o seu corte é mais resistente que a tripa natural.

Tripa de celulose
As tripas de celulose são feitas com fibras de algodão e/ou invólucros de madeira processada. Depois de cozida, deve-se remover a tripa para ingerir a linguiça. É muito utilizada no preparo de alimentos veganos.

Tripa de plástico 
Considerada a tripa de qualidade inferior, a tripa de plástico além de ser bem mais barata, não permite o processo de defumação, já que a água contida na linguiça não pode ser removida por completo.

Os tipos de tripa para linguiça são bem variados e isso é legal, pois abre um leque de possibilidades para preparar a sua receita. Mas para uma boa escolha, é importante saber qual resultado final você está buscando.

As tripas naturais são as mais profissionais devido a sua qualidade, o que faz a linguiça ser de qualidade também, além de adquirir mais sabor e ser orgânica, facilitando a sua digestão.

Já as tripas sintéticas, não trazem o mesmo resultado que as de outra composição, mas isso não significa que elas sejam uma má opção. Tudo dependerá do que você espera.

Gostou De Nossas Dicas ? 
Deixe seu comentário abaixo, compartilhe para mais pessoas!

Conheça Aqui Nossas Tripas Para Fazer Linguiças: 

 
Como Fazer Linguiça De Porco

PESQUISANDO COMO FAZER LINGUIÇA DE PORCO

Neste artigo você vai aprender como fazer linguiça de porco, um dos embutidos mais saboroso consumido pelos brasileiros, sabe qual é?  Linguiça de porco.

A linguiça de porco é um produto cárneo cilíndrico feito de carne suína moída juntamente com sal de cura, temperos, especiarias e aromas naturais, posteriormente embutida em tripas de porco. 

Aprenda como fazer linguiça de porco em casa a partir do zero, de forma prática, fácil e barata. Aqui está a melhor receita, veja a seguir como fazer linguiça de porco caseira, receita especial, deliciosa e prática, basta seguir o passo a passo abaixo. Vamos Lá.. . 

INGREDIENTES

1 Kg de pernil de porco.
300 Gramas de toucinho sem couro
5 gramas de sal
10 gramas de sal de cura 1
04 Dentes de alho.
2 Gramas de pimenta do reino moída
1 Colher de vinagre
Tripa de porco 28/32 mm para embutir
Barbante para amarrar

COMO FAZER LINGUIÇA DE PORCO – INICIANDO A PRODUÇÃO:

Em primeiro lugar cortar a carne de porco, e o toucinho em cubos menores, posteriormente deixe na geladeira até quase congelar, o objetivo é evitar possíveis contaminações na hora de moer e misturar a massa.

PROCESSO DE MOAGEM:

Moer em disco 10 mm,  primeiramente a carne em seguida o toucinho. utiliza-se tanto o moedor de carne manual, quanto elétrico. Obs… Caso deseje, pode ser tudo picado na faca, bem picadinho, fica excelente.  Fica a dica..

TEMPERO E MISTURA DA MASSA:

Após o processo de moagem, acomode todos os ingredientes em uma caixa plástica,  a carne, toucinho, sal de cura 1, sal comum, pimenta do reino, alho e o vinagre. Misture até formar uma massa homogenia, cerca de 5 minutos aproximadamente.

PREPARANDO A TRIPA PARA FAZER A LINGUIÇA DE PORCO:

Retire a tripa da embalagem, posteriormente lave bem em água corrente para retirar todo o sal da mesma, em seguida deixe de molho na água com 1 colher de vinagre ou limão por aproximadamente 2 horas. Após seguir esse procedimento a tripa estará pronta para uso. Obs.. retire do sal somente o que for ser utilizado, o restante da tripa mantenha no sal em uma embalagem plástica com tampa longe da luz solar.

Como Fazer Linguiça De Porco

HORA DE POR A MÃO NA MASSA:

Retire do seu moedor o disco 10 mm que usou para moer a carne e coloque o funil 10 mm, de preferencia o funil médio. Em seguida introduza a tripa de porco no funil, o ideal é dar um nó no final da tripa e depois faça um pequeno furo para retirar o ar da mesma.

Por fim, introduza a massa no moedor e vá embutindo na tripa formando  gomos de 10 cm cada aproximadamente, e amarrando.

Pronto agora é só fritar ou assar na churrasqueira, reunir os amigos, abrir uma bela cerveja e enfim, saborear essa maravilha. .. 

 

Autor: Michael Rodrigues Das Neves

 

Gostou Dessa Receita? Veja Também..
COMO FAZER LINGUIÇA DE FRANGO.

sal de cura 2

Sal De Cura – O Que É ? 

sal de cura é compostos por uma mistura de sal de cozinha, nitrito de sódio e/ou nitrato de sódio. Sua função é vital na produção de embutidos, produtos curados e defumados como por exemplo:. Linguiças, salames, bacon, salsichas, copa lombo entre outras.

Age como conservante, prolongando o tempo de conservação do produto, e ao mesmo tempo age como fixador de cor. Característico (Rosada).

Quais são os tipos de sais de cura e suas diferenças? 

Existem dois tipos de sais, um para curas rápidas utilizado para fazer linguiça fresca e congelada (nitrito de sódio) e o que é utilizado para fazer produtos curados mais de 7 dias (nitrato de sódio). Veja a seguir  suas diferenças e a quantidade correta utilizada por kg ..  

Contém nitritos em dosagem ótima, distribuídos sobre sal microcristalino. É um produto que reúne as propriedades de uma cura rápida com os efeitos conservadores desejáveis, solubiliza-se de maneira instantânea e total, distribuindo-se homogeneamente na massa, o que garante uma cura uniforme, completa e excelente estabilização da cor.

Indispensável na produção de linguiça frescal, e linguiça congelada , sendo sempre adicionado no início do processo de fabricação. Uso: 10 g para cada 1 kg de carne.

É utilizado para cura longas, como por exemplo salames, copa lombo, linguiças secas, carnes curadas, charque, bacon, presunto, calabresas, salsichas, mortadelas, entre outros. 

Atua sobre a mioglobina (vermelho púrpura) presente na carne transformando em nitrosomioglobina (vermelho) e posteriormente ao cozimento em nitrosohemocromo (rosa). Recomendação De Uso: 3 g para cada 1 kg. 

Agora que você já sabe tudo a respeito do sal de cura, e sabe como utiliza-lo corretamente é hora de praticar, por a mão na massa. Vamos lá.. . 

Confira As Melhores Receitas.
CLIQUE AQUI..

Como Fazer Salame Artesanal

Descubra o básico do que você precisa saber para aprender como fazer salame artesanal em casa de forma fácil, pratica, econômica e higiênica. O salame é uma espécie de enchido feito de pedaços de carne de porco, tudo temperado com um pouco de tempero pronto para salame e ervas.

Processamento do salame artesanal:

Primeiro de tudo, para a produção de salame artesanal deve-se dar preferência as carnes de boa qualidade.

Portanto a carne utilizada para a produção de salame deve apresentar baixo teor de umidade para minimizar o risco de multiplicação de bactérias indesejáveis.

A gordura utilizada no processamento de salame deve estar na forma congelada e a carne resfriada.

Moagem da matéria-prima

A moagem ou trituração da matéria-prima pode ser feita em um moedor de carne, com lâminas bem afiadas, pois evitará qualquer aquecimento desnecessário.     

Embutimento salame artesanal

Posteriormente a moagem, a massa é misturada e modelada em forma de bola, pois assim removerá todo ar. O processo de embutimento consiste em introduzir a massa já preparada na tripa.

previamente selecionada e disposta para este fim em equipamentos chamados embutideiras ou ensacadeira para linguiça. Os operadores devem trabalhar com luvas nas mãos e vestir as toucas de cabelo, assim evitará descoloração da produção. As tripas de colágeno para salame são utilizadas com muito mais freqüência, pois não apresentarem problemas higiênicos, além de  favorecerem o embutimento contínuo e padronizado.

A tripa de colágeno, não dificultam a manipulação do material nem o armazenamento.

As tripas mais comuns são as tripas de colágeno, celulose ou plásticas (poliamida, poliéster, polietileno e cloreto de polivinila). Algumas são impermeáveis à água e à fumaça, sendo usadas em produtos cárneos que não serão dessecados ou defumados.

Secagem e maturação

A massa fresca, com sua alta atividade de água, é um meio para o desenvolvimento e crescimento dos microrganismos, inclusive os deterioradores. A maturação, devido à alta possibilidade da massa estragar, é a etapa mais sensível durante o processamento do salame artesanal.

Afinal durante a maturação ocorre a formação de cor, desenvolvimento de liga da massa e desenvolvimento de aroma. A maturação dura em media de três dias a uma semana, dependendo dos aditivos adicionados.

A maturação é feita à temperatura entre +18 e +/-20ºC e a umidade relativa no primeiro dia deve está em torno de 95%. A umidade deve ser reduzida durante três a quatros dias para 85%. A velocidade do ar não pode ser mais o que 0,1 ou 0,2m/s. Depois de curados, os salames são colocados para maturação adicional e secagem.

Para estabilização da cor, desenvolvimento do aroma e finalização do processo de preparo para a estocagem do produto. A secagem é feita a temperaturas entre 12 e 15ºC e numa umidade relativa de 70 a 75% com velocidade do ar menor que 0,1m/s.

Pois quando o salame perde de 25 a 30% de seu peso, este já pode ser embalado e comercializado.

Embalagem e estocagem

O produto deverá ser embalado com materiais adequados para as condições de armazenamento. E que lhe confiram uma proteção apropriada contra a contaminação.

O produto poderá ser exposto no ponto de venda em temperatura ambiente quando fechado. Porém no caso de subdivisão ou embalagens á vácuo de produtos fatiados, este deve ser mantido em temperatura de refrigeração.

Técnicas de fermentação de salames

Os salames são mantidos durante 12-14h a temperatura de 24-26ºC, na tentativa de aumentar a temperatura da massa rapidamente. Portanto feito isso, a temperatura é reduzida para a faixa de 18-20º de modo a finalizar a fermentação, formar cor padrão e assim conferir liga a massa.

Durante a desidratação, a velocidade do ar não pode exceder a 0,1-0,2m/s, pois caso contrário o embutido começa a apresentar mela em sua superfície (característica negativa de qualidade), ocasionando perda de produção. Na fermentação rápida é comum utilizar apenas sal de cura, porém podendo utilizar também o eritorbato de sódio.

Agora que você sabe como fazer salame artesanal é hora de por a mão na massa. Vamos lá… Receita completa passo a passo Aqui..